A revolução saudável dos adoçantes

    A revolução saudável dos adoçantes

    Stevia

    Utilizado desde sempre pelos índios da América do Sul, a stevia chega agora até à civilização e causa grande furor na indústria alimentar.

    Crystal sugar and lumps together with powder and dried stevia natural sweetener on a wooden table

    O nome do Stevia rebaudiana Bertoni, normalmente referido como Stevia, foi atribuído pelo botânico suíço Moisés Santiago Bertoni, que primeiro descreveu a planta. Trata-se de uma planta nativa que pertence à mesma família do girassol e da chicória. Amplamente cultivada pelas suas folhas doces, Stevia tem sido usada como um edulcorante tradicional, adicionada aos chás de ervas e outras bebidas.

    A stevia é famosa pela sua excepcional capacidade adoçante. Encontram-se nas suas folhas, dois principais compostos glicosídeos, de sabor adocicado: esteviosídeo e o rebaudiosídeo A. Estes compostos são 200 a 300 vezes mais doces que o açúcar, de tal forma que uma pequena quantidade é suficiente para obter a doçura desejada.

    Qual a vantagem de usar stevia? Permite ao consumidores usufruir de um sabor doce sem aumentar a ingestão diária calórica. Constitui uma ajuda eficaz no controlo de peso, quando utilizados na dieta como uma alternativa à adição de açúcar. Indivíduos com fenilcetonúria (PKU) devem controlar a sua ingestão de fenilalanina, incluindo o aspartame.

    Para estas pessoas os glicosídeos steviol apresentam-se como uma óptima opção de edulcorante livre de fenilalanina. Não provoca cáries e pode ser consumido por crianças, grávidas e diabéticos. É um adoçante de origem natural que se contrapõe a outros adoçantes químicos e oferece por isso mais vantagens. Texto: Mónica Santo