Brumas da memória

Pintada de verdes e cinzas, escondida entre rochas e paisagens milenares, Bragança destaca-se pela sua beleza natural. Nos edifícios, ruas e praças, reflecte-se a cultura de um povo do norte transmontano, habituado desde sempre a dividir espaço e fronteira com Espanha. Uma cidade ibérica, plena de cultura e tradição.

Foto para abrir
Parque Natural de Montesinho

A área das serras de Montesinho e Coroa foi escolhida para Parque Natural por reunir condições em que é visível a integração harmoniosa do homem com o meio ambiente.
Com uma superfície de 75 000 hectares, inclui cerca de 9 000 habitantes distribuídos por 92 aldeias. É um espaço fascinante para visitar, passear e estudar a natureza. Foto 2

 

Museu Ibérico da Máscara e do Traje

O museu tem como objectivo preservar e promover a identidade e a cultura do povo desta região de fronteira, unido por milénios de história. Dele fazem parte trajes e máscaras característicos de determinadas Festas de Inverno e Carnaval de Trás-os-Montes, Lazarim e distrito de Zamora, permitindo ao visitante contactar, em qualquer altura do ano, com uma multiplicidade de festas, personagens e rituais, elementos únicos da nossa cultura. Aberto de terça a domingo das 9h às 17h 30, para mais informações contacte: 273 381 008.

Centro de Arte Contemporânea

Com uma forte aposta na cultura como factor de modernização e competitividade este museu guarda a arte contemporânea que melhor define os artistas da região. Até 30 de Novembro poderá ver a Exposição Graça Morais – Uma antologia da Terra ao Mar – Pintura e desenho de 1970/2013. Saiba mais em http://centroartegracamorais.cm-braganca.pt/PageGen.aspxFoto 3

 

Festas Da Nossa Senhora da Serra

Todos os anos a partir de 30 de Agosto e até 8 de Setembro milhares de peregrinos sobem à Serra da Nogueira para as Festas da Nossa Senhora da Serra. Um momento esperado pela população nordestina.

Torre de Menagem

Na “vila”, destaca-se a Torre de Menagem, construída, como é habitual, no ponto mais defensável -” mais larga e robusta que as maiores torres góticas do Sul. Sustenta, nos seus ângulos, vigias de bom recorte; no seu interior, uma cisterna, que serve uma função residencial atestada. Hoje, alberga o Museu Militar. Do seu topo contemplam-se paisagens como a Serras de Nogueira, Montesinho, Coroa e, para norte, terras leonesas.Foto 5

 

Domus Municipalis

Um monumento bastante singular que ainda hoje se rodeia de enigma.

A designação de “Domus Municipalis” surge no século XIX, mas a sua edificação data do século XVI, podendo coincidir com a construção do castelo.

Um monumento peculiar onde a sua história e utilidade se perde nas brumas do tempo, deixando a sua estrutura e sala de água envoltas em mistério, pois a suas origens e funcionalidades perdem-se no tempo. Um local de interesse histórico.

 

 

Comentários